Loading...

Quem Somos

A Parapente Brasil é uma escola de vôo-livre que traz consigo toda a experiência acumulada em anos de instrução. A Parapente Brasil trabalha na evolução da imagem de profissionalismo do vôo-livre. Valorizando conceitos como comprometimento e seriedade, a escola procura estabelecer uma relação profissional com seus alunos, fornecedores e parceiros. Criando objetivos bem definidos, e garantindo o cumprimento dos compromissos assumidos, a empresa vem consolidando esta imagem desde a sua criação.

A escola em si é um eficiente mecanismo de disseminação do esporte. Muitas das pessoas que nos procuram vem a atrás de uma forma alternativa de alívio do estresse do dia-a-dia. Graças ao ambiente descontraído e ao clima de amizade, alunos e ex-alunos convivem em conjunto, trocando experiências e viajando para voar em novas rampas. Devido ao contínuo acompanhamento da equipe de instrução muitos dos pilotos da comunidade acabam se tornando competidores, dentre os quais alguns que, inclusive, se destacaram no cenário do vôo-livre brasileiro.

Nossos Serviços


Vôo de Instrução

Vôo duplo de instrução já contemplando o traslado da praia para a rampa, 1 vídeo em alta resolução e 100 fotos incríveis.

Vídeo extra

Consulte-nos sobre a possibilidade de gravar um segundo vídeo em alta resolução de um ângulo diferente.

Transfer In e Out

Podemos buscá-lo e deixá-lo em casa se você quiser, abrangendo a maioria dos bairros da Zona Sul, Tijuca e parte da Barra da Tijuca.

Quero voar!

Equipe Parapente Brasil

Alex Brasil

Alex Brasil

Fundador da Parapente Brasil começou a se envolver na atividade de instrução em meados de 1992, teve a oportunidade de trocar experiências com instrutores da França em 1994, trazendo para o Brasil inovações na metodologia de ensino. Desde então já formou dezenas de novos pilotos, além também de instrutores, que formam a comunidade. Atua no vôo duplo de instrução desde os seus primórdios, além de já ter ocupado diversas vezes a posição de Diretor Técnico das associações de vôo livre do rio de janeiro e do Brasil.

Maurício Stelling

Maurício Stelling

Piloto desde 1999, atuou no cenário de competições durante muitos anos vindo a voar em dezenas de rampas pelo Brasil e Exterior. Apaixonado pelo vôo trabalhou na organização de eventos e campeonatos apoiando a disseminação do esporte pelo país. Considera o vôo duplo de instrução como a atividade mais séria existente no esporte onde a segurança é sempre a primeira palavra.

Mateus Ceccato

Mateus Ceccato

Piloto desde 2006, iniciou suas atividades aeronáuticas como piloto e posteriormente instrutor de planador. Mais tarde trouxe toda experiência em voo já adquirida para o parapente, se dedicando ao esporte desde então. Participa frequêntemente em campeonatos pelo Brasil, obtendo bons resultados. Foi primeiro colocado na categoria Light do XCross Japeri 2012. Foi recordista de distância da rampa de Brazópolis – MG. Seus recordes pessoais atuais são 162 km de distância livre em 5h de voo (em Sta Teresinha – BA), e 4000 metros de altitude (em Cambuquira – MG).

Fotos

Vôo duplo
Vôos
Cristo Redentor
Vôos
Povo reunido
Vôos
Parapente Brasil
Vôos
Parapente Brasil em ação
Vôos

O esporte

ff0d9fe1-a470-4ebd-840d-06a08021bcca

O Parapente, também conhecido como Paraglider nos países de língua inglesa, surgiu inicialmente na Europa e era praticado por alpinistas que após escalar as montanhas utilizavam o equipamento para descê-las voando. No início os parapentes ainda eram experimentais e o seu uso se resumia a pequenos vôos. Nos dias de hoje, inúmeras fábricas surgiram no mundo inteiro e os projetos têm evoluído cada vez mais, proporcionando vôos cada vez mais seguros e mais longos.

No Brasil, o primeiro vôo de Parapente que se tem registro aconteceu em 1988, no Rio de Janeiro, onde dois suíços decolaram da rampa da Pedra Bonita que já era utilizada por praticantes de asa-delta. A novidade atraiu a atenção de alguns cariocas que tinham em comum o fascínio pelo vôo-livre. Assim se formou o primeiro grupo de pilotos brasileiros. O vôo, que naquela época durava poucos minutos às vezes provocava momentos de tensão, pois o planeio dos parapentes algumas vezes não permitia ao piloto chegar na praia, o que o obrigava a procurar um lugar para pousar no meio do caminho.

Atualmente o planeio dos parapentes chega a ultrapassar a razão de 9/1 (para cada 9 metros voados para frente 1 metro de altitude é perdido). Graças à evolução da tecnologia os vôos de distância têm se tornado cada vez mais freqüentes, iniciando uma corrida pela quebra dos recordes mundiais.

Considerado por seus praticantes como um esporte de aventura, o Parapente reúne pessoas movidas pela mesma emoção: o prazer de voar. Não há um estereótipo bem definido que caracterize um piloto de parapente, pessoas de diferentes classes sociais, formação cultural e condicionamento físico, dividem as rampas do país como se fosse uma grande família. A camaradagem e o bom humor são facilmente encontrados no meio.

É comum a procura pelo esporte por pessoas que desejam fugir do dia-a-dia estressante das grandes cidades. Como costumam dizer os pilotos: “nada como começar a semana após um final de semana voando”.

FAQ

Voar de parapente é seguro?

Sim! O parapente é um esporte que evoluiu muito nos últimos anos, tanto em equipamentos quando em técnica, e hoje é extremamente seguro quando feito com responsabilidade de profissionalismo. Procedimentos adequados, equipamentos em ordem, e a correta avaliação da condição meteorológica garantem que o seu voo seja seguro e prazeroso.

Qual a probabilidade de haver falha do equipamento?

Em torno de zero. O equipamento é feito para suportar aproximadamente de 8 a 10 vezes o peso total, tornando praticamente impossível haver qualquer tipo de ruptura.

Tenho vontade de voar, mas tenho medo. O que fazer?

Ter medo é natural, principalmente quando nos aventuramos em novas experiências. Se existe a vontade, já temos praticamente tudo o que precisamos para voar. Estamos à sua disposição para esclarecer quaiser dúvidas que possam lhe ajudar a entender melhor do que se trata o voo (e porque ele é seguro) e a superar seu medo. Entre em contato conosco e pergunte o que quiser!

Como é a saída? Saltamos e o parapente abre depois?

Não. Nós decolamos em vez de saltar. O equipamento fica posicionado atrás, já aberto na rampa. Ao iniciarmos nossa caminhada para frente, o parapente se infla e fica acima de nós – já voando – enquanto ainda temos nossos pés no chão. Aí basta continuarmos nosso movimento que logo entraremos em voo.

O que eu preciso fazer na hora da decolagem? É complicado?

Não. Você receberá instruções básicas de como proceder, e faremos um pequeno ensaio antes de decolar. Em linhas gerais, você precisará andar para frente e eventualmente correr lentamente. E o mais importante: não se sentar antes de entrar em voo! Simples!

É necessário ter alguma habilidade especial?

Não! A única exigência é que a pessoa tenha sua capacidade básica motora íntegra, conseguindo caminhar e correr lentamente. Casos especiais em que haja alguma limitação precisam ser avaliados pelo instrutor. Se esse for o seu caso, não se acanhe em entrar em contato conosco: teremos prazer em lhe atender.

Por que voar de parapente? Qual a diferença pra asa-delta?

O parapente é a forma mais confortável de se voar, sem falar no visual proporcionado pela sua posição em voo: você estará sentado em uma selete (cadeirinha), com total visibilidade. A decolagem e o pouso são mais suaves, pois precisam de menor velocidade, e geralmente são feitos andando. O voo é tranquilo e estável. Mas não se engane: se você acha que o parapente não pode proporcionar a emoção ou a adrenalina da asa-delta, nós podemos provar o contrário, se assim você desejar! 😉

Qual a diferença do parapente para o paraquedas?

Apesar da semelhança no nome e de certa forma no aspecto físico, o parapente pouco tem a ver com um paraquedas, principalmente no que diz respeito ao seu voo. O parapente é tecnicamente uma asa, que se comporta como tal no ar. Por isso falamos “voar” de parapente, em vez de “saltar”. Desde a decolagem até o pouso, no parapente não existe nenhum momento em que há queda livre.

 

Quero voar!